Conecte-se

Religião

Seja celibatário ou largue o sacerdócio, diz papa Francisco a padres gays

Publicado

em

Homens com tendências homossexuais profundamente arraigadas não deveriam ser admitidos no clero católico, e seria melhor para os padres ativamente gays abandonarem o sacerdócio em vez de levar uma vida dupla, afirmou o papa Francisco em um novo livro.

Embora ele tenha falado anteriormente da necessidade de uma melhor triagem de candidatos para a vida religiosa, o comentário sugerindo que padres que não podem manter seus votos de celibato devem deixar o sacerdócio é um dos mais enfáticos sobre o assunto até o momento.

O papa deu a declaração em entrevista a um livro do padre espanhol Fernando Prado no qual ele discute os desafios de ser um padre ou freira nos dias atuais.

Francisco disse no livro que a homossexualidade na Igreja “é algo que me preocupa”. O livro está previsto para ser publicado esta semana em vários idiomas. Uma cópia antecipada da versão italiana foi disponibilizada à Reuters.

“A questão da homossexualidade é muito séria”, disse ele, acrescentando que os responsáveis pela formação de homens para serem padres devem ter certeza de que os candidatos são “humanos e emocionalmente maduros” antes de serem ordenados.

Isso também se aplica às mulheres que queiram entrar em comunidades religiosas femininas para se tornarem freiras. Na Igreja Católica, padres, freiras e monges fazem votos de celibato.

A Igreja ensina que as tendências homossexuais não são pecaminosas em si, mas os atos homossexuais são.

Francisco disse que “não há espaço para isso” nas vidas de padres e freiras, acrescentando que a Igreja deve ser “exigente” na escolha de candidatos para o que é conhecido como a vida consagrada.

“Por essa razão, a Igreja pede que pessoas com essa tendência enraizada não sejam aceitas no ministério (sacerdotal) ou na vida consagrada”, disse ele.

“MELHOR DEIXAR A IGREJA”

Ele pediu que os homossexuais que já são padres ou freiras sejam celibatários e responsáveis para evitar criar escândalo. “É melhor que eles deixem o sacerdócio ou a vida consagrada em vez de viver uma vida dupla”, disse ele.

A entrevista foi realizada em meados de agosto. Menos de duas semanas depois, em 26 de agosto, o arcebispo Carlo Maria Vigano, ex-embaixador do Vaticano nos EUA, colocou a Igreja no epicentro de uma polêmica com uma declaração bombástica contra o papa e autoridades do Vaticano.

Vigano disse que existe uma “rede homossexual” no Vaticano, cujos membros ajudaram a promover as carreiras uns dos outros na Igreja.

*Com informações da Reuters

Anúncio
Clique para Comentar

Deixe seu comentário

Religião

Mais de 300 mil pessoas participam da marcha pra Jesus, em Goiânia

Publicado

em

A Marcha pra Jesus realizada na capital goiana no feriado de quarta-feira (1ºMai) reuniu mais de 300 mil pessoas. Após uma caminhada acompanhada de trios elétricos, os fiéis se reuniram na Praça Cívica para ouvir as principais bandas e cantores do cenário gospel, foram 6 horas de shows com 27 artistas.

A concentração começou às 13 horas na praça do avião, no setor aeroporto, os cristãos fizeram um percurso de 3 quilômetros até chegar na Praça Cívica, no Centro.  Dentre os artistas que se apresentaram, estavam Ludmila Feber, Regis Danese e Isadora Pompeo, entre os intervalos também teve espaço para pregação de pastores.

De acordo com os organizadores do evento, eles esperavam superar o número de pessoas que estiveram presentes no último ano do evento, que reuniu 200 mil pessoas.

 ‘Hoje, 80% das igrejas estão representadas aqui na marcha. “É um evento alegre, de paz e festa”, disse o Bispo Fábio Sousa durante entrevista ao Portal G1.

A Marcha Para Jesus é conhecida em todo o território nacional, mas ela acontece também anualmente em várias cidades do mundo. Inclusive, a primeira Marcha Para Jesus aconteceu em 1987 na cidade de Londres, no Reino Unido, chamada de “City March”.

No Brasil, de acordo com os organizadores, o evento chegou mais tarde, em 1993. São Paulo foi à primeira cidade brasileira a realizar o evento. Desde 2013, a Marcha Para Jesus faz parte do calendário oficial de eventos de Goiânia.

Continue Lendo

Religião

Igreja católica realiza procissão em Anápolis nesta quarta-feira, 17

Publicado

em

Nesta quarta-feira (17.Abr) a Igreja Sant’ana irá realizar a procissão do encontro entre as duas imagens: Nossa Senhora das Dores, e Nosso Senhor dos Passos, em comemoração a Semana Santa. A comitiva irá sair da praça das mães às 19h30, e se encontrarão na entrada da matriz Sant’ana.

A programação segue durante todo o restante da Semana Santa, se encerrando no domingo de Páscoa, (21.Abr), com missa na capela Nossa Senhora Aparecida, às 19 horas.

As comemorações também estão garantidas na Paróquia São João Batista, no bairro Vila Formosa, em Anápolis. Começando nesta quinta-feira (18.Abr) com a Missa da Ceia do Senhor às 19h30. Na sexta-feira da paixão a igreja irá realizar a procissão do Senhor Morto, após a celebração da Paixão do Senhor, na Matriz, às 15 horas. A programação segue até o domingo de Páscoa.

Continue Lendo

Religião

Campanha da Fraternidade incentiva a participação da população na política

Publicado

em

O padre Fábio Barbosa, representante do bispo Dom João Wilk, participou da sessão ordinária da Câmara Municipal de Anápolis desta segunda-feira (11.Mar) para falar sobre a campanha da Fraternidade 2019 que tem como tema: Fraternidade e Políticas Públicas.

Ele discursou que a igreja tem se interessado cada vez mais pensando na dignidade de todas as pessoas.

“O objetivo é estimular as políticas públicas à luz da palavra de Deus, e assim fortalecer a doutrina social da igreja e os sinais de fraternidade”, falou.

A proposta da igreja Católica é seguir Jesus como convite para mudança de vida, despertar no ser humano e em todas as igrejas, sem importar a denominação, a necessidade da conversão.

“Refletir políticas públicas é falar da realidade que afeta as pessoas, é a inserção social e garantir direitos e deveres das pessoas. No Brasil nada é gratuito e todas as políticas deveriam garantir os serviços para todos”, pontuou.

O representante religioso disse que a sociedade precisa saber como é gasto o dinheiro público e que há a necessidade de um diálogo.

A igreja irá trabalhar três vertentes: Ver, julgar e agir.

Ver – aprofundar o tema, saber o que são políticas públicas. Quais funcionam, tem muita coisa boa e coisas esquecidas.

Julgar – deixar-se iluminar pelo evangelho, atentos para mudanças de realidades. Tem muita teoria, mas é preciso ações concretas a favor do povo, política é o bem maior para fazer as coisas acontecerem.

Agir – acompanhar de perto como as eleições são elaboradas, participação das pessoas de forma ativa, estimular a participação dos cristãos, favorecer o desenvolvimento humano de todos.

O padre Fábio Barbosa ressaltou que política é um trabalho para o bem comum de todos, e padre também é cidadão.

“Algumas pessoas criticam os líderes religiosos se envolverem com política, mas também estamos aqui para incentivar o diálogo”, comentou.

Continue Lendo

Em Alta