Conecte-se

Saúde

Santa Casa: pacientes sofrem o pior lado da crise

Publicado

em

A dona de casa Divani Morais, 45 anos, acompanha o dia a dia do seu pai internado há 30 dias na Santa Casa de Misericórdia de Anápolis. “Ele tem 84 anos, não pode ficar sem oxigênio então os médicos não podem liberá-lo. Não temos o que reclamar, os funcionários são muito atenciosos”, falou.

Na porta do hospital acompanhada da filha e do neto, Divani vai todos os dias à Santa Casa ver de perto os atendimentos e tenta conseguir a liberação para a instalação do oxigênio em casa, onde o pai pode ficar mais perto da família.

Na terça-feira (14.Mai), a diretoria da Fundação de Assistência Social (Fasa) anunciou a paralisação dos serviços de Urgência Emergência devido ao déficit de mais de R$ 2 milhões da unidade com fornecedores.

“Fiquei apavorada com a notícia da paralisação porque ouvi dizer que poderiam cortar o fornecimento do oxigênio do pessoal que está internado. Se levar o meu pai para casa agora, ele morre”, lamentou Divani.

Edina Cristina Gonçalves

Um dia após as portas de Urgência e Emergência fecharem, Edina Cristina Gonçalves, 42 anos, foi à Santa Casa buscar alguns exames. Ela estava internada, uma semana antes, na unidade. “Se continuar assim vai ser um baque muito grande para a cidade, para todo mundo”, observou.

Na recepção foi bem recebida por alguns funcionários que não localizaram os exames. Dona Edina faz Hemodiálise e saiu dali atrás do seu médico para pedir orientação.

Elzi do Carmo Machado

Elzi do Carmo Machado há 50 anos mora na região da Santa Casa e lembra que os atendimentos médicos são referência.

“Como o pessoal vai sobreviver, as crianças e os idosos. Ontem uma mulher chegou aí passando mal, sentindo dores, e teve que voltar né, não tinha o que fazer, estava tudo fechado”, contou Elzi um dia após o fechamento dos atendimentos.

Além da crise na Saúde, Anápolis teve uma reação em cadeia. Os comerciantes viram o movimento cair de um dia para o outro.

Paulo César dos Santos

No dia15 de maio, a equipe do A1minuto conversou com o seu Paulo César dos Santos. Autônomo, ele ressaltou que os proprietários dos restaurantes da região pensaram em fechar também, até a situação se normalizar.

“Prejudica todo mundo, não só os atendimentos, mas o comércio ao lado da Santa Casa é prejudicado. Dependem do movimento para sobreviver. Estamos esperando o governo cumprir as promessas. Estamos esperando que volte tudo ao normal”, disse.

O farmacêutico Mabio Guerra comentou que havia rumores pela falta de recurso, mas não imaginava que poderia acontecer.

“Há seis anos tem tenho o meu comércio instalado na região da Santa Casa. É um atraso para Anápolis, para a saúde, estamos a mercê da política e desses recursos. Estamos na esperança que normalize, e volte os atendimentos com melhorias”, desabafou.

Promessas

No dia 14 de maio, o padre Clayton Bérgamo, provedor da Santa Casa afirmou que a falta de repasses do Governo de Goiás, cerca de R$ 2 milhões, inviabiliza o funcionamento do hospital.

No mesmo dia do anúncio da paralisação, a classe política se manifestou nas redes sociais. Todos seguiram a mesma linha de um plano de ação para salvar a Santa Casa da crise financeira.

O prefeito Roberto Naves (PTB) procurou Ronaldo Caiado (DEM) junto com o deputado estadual por Anápolis, Amilton Filho (SD), afirmando que a solução está a caminho.

Enquanto o contrato com o Governo de Goiás não é assinado, o poder público municipal anunciou a ampliação dos atendimentos dos postos de saúde dos setores do Recanto do Sol, Bairro de Lourdes irão ampliar o horário de funcionamento, passará de 17 horas, com pausa de duas horas de almoço para das 7 às 22 horas, sem pausa.

Os vereadores de Anápolis, durante sessão ordinária do dia 14 de maio, citaram a visita feita ao Secretário Estadual de Saúde, Ismael Alexandrino, em abril para pedir, entre outras demandas, a renovação urgente do contrato com a Santa Casa. O Governo de Goiás repassava, mensalmente, cerca de R$ 400 mil, valor que não chega ao município desde janeiro deste ano.

Crise nacional

Em janeiro de 2019, o Portal G1 publicou uma matéria sobre a grave crise que atinge centenas de Santas Casas pelo país. 

Em milhares de municípios brasileiros, a população só pode contar com os serviços de saúde de uma Santa Casa. Só que em muitas delas, a situação é crítica.

Em São Paulo, muita gente vai em busca de alívio na Santa Casa. Cerca de 45 mil pessoas por mês. “É onde tem para correr. Onde tem para correr é a Santa Casa”, diz a dona de casa Raimunda Fernandes.

É assim em mais de duas mil cidades brasileiras. Em muitas, a Santa Casa é o único hospital que existe. Elas são importantes, mas sofrem com crises constantes.

A Santa Casa de Cuiabá parou de receber novos pacientes. Médicos e funcionários estão em greve desde novembro de 2018 por falta de pagamento dos salários.

A de Rio Grande, no interior do Rio Grande do Sul, também enfrenta dificuldades. “Vamos entrar para o quarto mês de salário atrasado. Então esse é o sentimento, é um sentimento de humilhação”, diz a assistente de contabilidade Mirela Russales.

Lá, o prefeito decretou estado de calamidade na saúde. “Nós estamos na iminência de fechar o hospital, e com isso será um caos para Rio Grande e para 30 municípios que são atendidos na média e alta complexidade”, afirma o presidente da Santa Casa de Rio Grande Dom José Mario Stoeher.

A Santa Casa de São Paulo reduziu o número de unidades de saúde que administrava de 39 para cinco. Demitiu funcionários, contratou auditoria e está modernizando a gestão. Mas, segundo o presidente, ainda deve R$ 380 milhões aos bancos, a juros que chegam a quase 17% ao ano. “Não existe nada mais vigoroso do que o esforço que as filantrópicas estão fazendo para se colocarem à altura da gestão das grandes empresas”, diz Carlos Augusto Meimberg, diretor presidente da Santa Casa.

Nesta quarta-feira (15.Mai), a Santa Casa de Misericórdia de Anápolis divulgou uma nota de esclarecimento. Segue na íntegra

Após reunião com o secretário de Estado da Saúde de Goiás, Ismael Alexandrino, na manhã desta quarta-feira, 15, a diretoria da Santa Casa de Misericórdia de Anápolis prometeu ao Secretário de Saúde que retomará ainda hoje o atendimento no Pronto-Socorro. O convênio com a instituição será assinado até o final desta semana e o valor do repasse pode variar de R$ 500 a R$ 600 mil reais mensais.
É importante ressaltar que sempre foi de interesse da atual gestão do Estado providenciar essa contratualização, visto que a portaria que previa os repasses venceu em novembro do ano passado, ainda na antiga administração.

Comunicação Setorial da Secretaria de Estado da Saúde de Goiás

*Com informações do Portal G1

Anúncio
Clique para Comentar

Deixe seu comentário

Saúde

Monitorar as mutações do vírus da gripe envolve esforço internacional

Publicado

em

Por

A ocorrência de mutações no vírus influenza, causador da gripe, é uma possibilidade permanente. Por essa razão, é imprevisível quando ocorrerá uma nova pandemia da doença. A última ocorreu há exatos 10 anos, quando o H1N1, um subtipo do vírus influenza A, se disseminou em escala mundial, provocando o que ficou conhecido na época como a crise da “gripe suína”. Diante do risco de novas pandemias, o monitoramento é fundamental para identificar com eficácia e rapidez as variações virais que circulam nos países, sobretudo no inverno, quando a transmissão se intensifica.

Conforme explica a virologista Marilda Siqueira, pesquisadora da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), por meio do sequenciamento genético é feito o acompanhamento da evolução do vírus. O compartilhamento desses dados científicos permite a adoção de respostas rápidas para combater a circulação do vírus, como captar os primeiros casos precocemente e disponibilizar um atendimento eficiente. Foi esse acompanhamento que possibilitou também o rápido desenvolvimento da vacina no caso do H1N1, ajudando as populações mundiais a criarem resistência ao vírus que se alastrou a partir de junho de 2009. O imunizante ficou disponível em setembro, três meses após o início das transmissões.

Uma nova pandemia não deve ocorrer com o H1N1. Atualmente, no Brasil, apesar de ainda ocorrerem óbitos, eles estão dentro de um padrão esperado. No país, é alta a probabilidade de se ter contato no inverno com dois subtipos do vírus influenza A contra os quais as populações estão mais resistentes. Um deles é exatamente o H1N1 e o outro é o H3N2. A questão é que o vírus influenza tem um genoma segmentado, característica que, segundo Marilda, facilita as mutações.

“Se você troca um ou mais segmentos gênicos inteiros, vira outra coisa. E podemos ter novo vírus para o qual não temos anticorpo e nem vacinas eficazes. Em alguns lugares da Ásia, as pessoas estão atualmente contraindo de animais o H7N9, e a taxa de letalidade está em torno de 70%. Não foi observado contágio de homem para homem, então não há transmissão sustentada. Mas é uma preocupação enorme e o mundo inteiro está de olho para entender o que está acontecendo com esse vírus”, diz a virologista.

A partir do momento em que um vírus mutante se mostra transmissível de homem para homem, pode haver rápida disseminação entre uma população sem imunidade. Ao atingir grande número de indivíduos, torna-se uma epidemia enquanto estiver restrita a uma certa localidade. A pandemia se configura quando a epidemia se espalha por uma grande região geográfica, como um continente ou até mesmo o planeta.

O acompanhamento internacional é feito por meio do Sistema Global de Vigilância e Resposta à Influenza da Organização Mundial da Saúde (OMS), que reúne diversas instituições. O Laboratório de Vírus Respiratório e do Sarampo da Fiocruz, chefiado por Marilda, é uma delas. O monitoramento também é importante para enfrentar as epidemias sazonais, que ocorrem sempre no inverno com mais ou menos intensidade conforme uma série de fatores. De acordo com Marilda, há quatro tipos de vírus influenza, sendo o A e o B os principais responsáveis pela gripe, o C e o D sem impacto relevante conhecido. O A é o que mais preocupa, por ser altamente mutável. O monitoramento das variações é uma das etapa da produção da vacina.

A produção da vacina da gripe sofre alterações constantemente. A OMS realiza reuniões em setembro para discutir o cenário do Hemisfério Sul do planeta e, em fevereiro, para o Hemisfério Norte. Nesses encontros, são analisados os resultados dos monitoramentos feitos pelas instituições que integram o sistema de vigilância. A próxima vacina deverá imunizar contra as principais variações virais que foram identificadas circulando no inverno que precede a reunião. “É sempre uma corrida contra o tempo, pois é curto o prazo para que a vacina esteja disponível antes do próximo inverno”, diz Marilda.

No Brasil, o Instituto Butantan, órgão vinculado à Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, é o responsável por produzir as vacinas segundo as diretrizes fixadas na reunião da OMS. O Ministério da Saúde recomenda o imunizante para idosos, crianças até 5 anos, mulheres que deram à luz recentemente, pessoas com doenças crônicas, detentos, funcionários do sistema prisional, indígenas, trabalhadores da saúde e professores. A vacina é ofertada gratuitamente para estes grupos nos postos do Sistema Único de Saúde (SUS). A última campanha teve início em 10 de abril. Desde o dia 3 de junho, as doses remanescentes estão disponíveis para toda a população.

Riscos

Segundo estudo dos centros de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos, entre 151 mil e 575 mil pessoas morreram devido à infecção pelo vírus H1N1. Os primeiros casos ocorreram no México. A principal hipótese dos cientistas é de que o novo vírus surgiu a partir de um rearranjo do genoma de outros dois vírus que infectaram porcos de forma simultânea.

“Normalmente essa troca de segmento gênico ocorre em alguma outra espécie animal. É comum ocorrer em porcos, porque muitas vezes eles recebem o vírus de humanos e podem receber também influenza aviária. Há países como a China, o Vietnã e o Camboja, por exemplo, que são caldeirões de produção de novos vírus influenza porque têm grandes mercados onde há porcos e aves convivendo juntos e próximos aos humanos. São ambientes que favorecem uma possível troca de segmentos do genoma”, explica Marilda.

As variações do vírus da gripe em circulação se propagam por secreções respiratórias que são liberadas em espirros e tosses. Para evitar a disseminação da doença, Marilda recomenda que pessoas com sintomas não frequentem lugares fechados. Ela também orienta medidas variadas como manter os ambientes arejados, abrir janelas de tempos em tempos e não levar as mãos à boca e ao nariz ao espirrar. É preferível dobrar o cotovelo, espirrar na articulação. Lavar as mãos também é muito importante.

“O vírus pode ficar presente e vivo nas superfícies, que pode ser um corrimão de uma escada, uma mesa, um braço de um sofá, uma maçaneta de porta. Ele permanece infeccioso por duas a quatro horas, dependendo das condições do ambiente. Imagine que você está em um shopping e ao descer uma escada rolante coloca a mão em uma parte do corrimão onde outra pessoa acabou de espirrar. E nós colocamos a mão no rosto constantemente. Então é preciso lavar as mãos com frequência”.

Maior pandemia

A maior pandemia de gripe de que se tem notícia ocorreu em 1918 e ficou conhecida como “gripe espanhola”. O número de vítimas foi muito superior ao ocorrido em 2009. Segundo a OMS, entre 20 e 40 milhões de mortes ocorreram em todo o mundo. A Europa foi o continente mais afetado. A virologista da Fiocruz acredita que dificilmente viveremos uma situação semelhante. “O risco não é totalmente descartado. Mas nessa magnitude é bem difícil. As condições socioeconômicas daquela época e também as condições médicas eram muito piores do que temos hoje em dia”, avalia Marilda.

Segundo ela, uma dificuldade na época foi a inexistência de antibióticos, que só foram criados na década de 1930. “Na pandemia, uma boa parcela das mortes não ocorre de pneumonia viral, mas de uma pneumonia bacteriana secundária que se aproveita da fragilidade do organismo. E, naquela época, não havia antibióticos para combater essas bactérias. Além disso, a Europa enfrentou essa situação saindo da Primeira Guerra Mundial com a produção de alimentos afetada, os serviços de saúde fragilizados”, diz.

A mutação que levou à “gripe espanhola” não surgiu na Espanha e sim nos Estados Unidos. A gripe se espalhou por soldados norte-americanos infectados que foram combater na Primeira Guerra Mundial. “Como os países estavam em combate, não se percebeu que muitas mortes estavam ocorrendo em decorrência de outra coisa. Foi só quando esse vírus chegou na Espanha, que não participou da guerra, que ficou claro que algo estranho estava ocorrendo. Ao notar um número incomum de mortes por doença respiratória, os espanhóis deram o alerta”.

Continue Lendo

Saúde

Depressão e estresse elevam risco de doença cardíaca em até 30%

Publicado

em

Por

Cardiologista e coordenador do Programa de Enfarte Agudo do Miocárdio do Hospital do Coração (HCor), Leopoldo Piegas afirma que a influência de questões emocionais no aparecimento de doenças cardiovasculares já é um consenso na área.

“As pessoas mais tranquilas, sossegadas e, aí vai a questão da religiosidade, têm uma tendência menor de ter esse tipo de doença”, afirma. O cardiologista pondera que o emocional pode funcionar como gatilho ou desencadear hábitos que prejudicam a saúde. “A pessoa (nessas condições) pode fazer menos exercício ou se alimentar mal”, diz.

Segundo José Luís Aziz, diretor de Comunicação da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo, estudos já comprovam que estresse e depressão podem elevar de 20% a 30% as chances de doença cardíaca. “Pessoas que perdoam têm menos chance de ter enfarte e, quando têm, é mais leve.”

Hormônios
Professor da pós-graduação do Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia, Álvaro Avezum afirma que o quadro de mágoa faz com que hormônios, como a adrenalina, sejam liberados de forma inadequada, afetando o organismo. “Isso pode aumentar a pressão arterial, produzir arritmias cardíacas, trombose”, diz.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo. (Agência Estado)

Continue Lendo

Saúde

Mais Médicos é reforçado em mais de mil municípios

Publicado

em

Por

A partir de hoje (24), mais de mil municípios, localizados em todo o país, além de dez Distritos Sanitários Especiais Indígenas, começarão a receber 1.975 profissionais selecionados para o Mais Médicos, durante o 18º ciclo do programa.

Segundo o Ministério da Saúde, o reforço beneficiará mais de 6 milhões de pessoas que vivem nas áreas mais vulneráveis do Brasil.

Algumas delas com histórica dificuldade de acesso, caso de localidades ribeirinhas, fluviais, quilombolas e indígenas.

Os profissionais selecionados terão até o dia 28 de junho para comparecer aos municípios e iniciar as atividades nas unidades de saúde.

Nesta primeira fase do 18º ciclo do programa, a seleção priorizou a participação de profissionais “formados e habilitados com registro do Conselho Regional de Medicina (CRM)”, preferencialmente “com perfil de atendimento para a Atenção Primária”.

Para tanto, o Ministério da Saúde estabeleceu “critérios de classificação, como títulos de Especialista e/ou Residência Médica em Medicina da Família e Comunidade”.

Para acessar a lista dos municípios contemplados pelo programa Mais Médicos, clique aqui.

Continue Lendo

Em Alta