Conecte-se

Segurança

PM apreende cerca de 200 quilos de maconha em Rio Verde

Publicado

em

Uma denúncia anônima levou a Polícia Militar a apreender cerca de 200 quilos de maconha em Rio Verde. O caso aconteceu na madrugada desta quarta-feira (10/7), no Setor Água Lindas.

Segundo a PM, o disque denúncia recebeu a informação sobre tráfico de drogas em uma região da cidade. Ao se deslocar até o endereço, os policiais encontraram um jovem na porta de uma casa dirigindo um VW Gol.

O rapaz, de 21 anos, percebeu a presença da polícia e tentou correr, mas foi detido. Além de 209 tabletes da droga, no interior da casa a PM encontrou balança de precisão e outros objetos utilizados para preparo da maconha e placas veiculares sem procedência.

Anúncio
Clique para Comentar

Deixe seu comentário

Segurança

Justiça determina que piloto filmado agredindo a namorada seja solto

Publicado

em

Por

A Justiça determinou nesta segunda-feira (15) que o piloto de avião Victor Augusto do Amaral Junqueira, de 25 anos, que foi filmado agredindo a então namorada, a advogada Luciana Sinzimbra, seja solto. Ele foi preso em Anápolis após descumprir medidas protetivas.

O advogado Demóstenes Torres, que integra a defesa, disse que foi “atendido o pedido de soltura com adoção de medidas cautelares que resguardem a vítima”.

Victor Augusto foi preso no dia 6 de junho, em Anápolis, após desrespeitar medidas protetivas que o obrigavam a não se aproximar de Luciana. Na decisão que determinou a prisão do piloto, consta que a Central de Monitoração Eletrônica comunicou à Justiça que em maio “o acusado cometeu doze violações de área de exclusão e duas violações de fim de bateria”. Porém, a defesa diz que essas violações foram acidentais.

O advogado de Luciana Sinzimbra, Eduardo Nascimento de Moura, que está atuando no processo como assistente de acusação, disse que a decisão da juíza foi acertada.

“Entendemos que foi a melhor decisão. A assistência de acusação recebe [a decisão] de forma tranquila, inclusive porque se manifestou favorável à liberdade provisória do acusado, desde que observados as medidas protetivas estabelecidas”, afirmou.

Segundo eles, as medidas protetivas definidas envolvem a mudança de Victor Junqueira para Cocalzinho de Goiás, o uso de tornozeleira eletrônica e o comparecimento semanal à Justiça para comprovar as obrigações estabelecidas.

Para o advogado de Luciana Sinzimbra, trata-se de uma segunda chance para Victor Junqueira. “A revogação da prisão dele se deu em razão de entender que ele merece uma segunda chance. Uma oportunidade de recomeçar a vida”, afirmou.

Victor Junqueira deve permanecer em Anápolis até quinta-feira (18). A partir de sexta-feira (19), ele já deve estar em Cocalzinho de Goiás, segundo o assistente de acusação Eduardo Moura.

Agressão
A agressão aconteceu no dia 14 de dezembro do ano passado, no apartamento em que Luciana mora, em Goiânia. No vídeo, Victor, que é filho do ex-prefeito de Anápolis Eurípides Junqueira, senta em frente à vítima e dá um forte tapa no rosto dela, que cai na cama. Ela pede várias vezes para que o namorado vá embora, mas ele se recusa e dá socos, empurrões e puxões de cabelo.

Victor foi denunciado no dia 24 de junho por violência doméstica no âmbito da Lei Maria da Penha, lesão corporal, ameaça e violação de domicílio.

Em fevereiro, mesmo com uma medida protetiva o proibindo de manter contato com Luciana, Victor enviou mensagens para o telefone dela. Na ocasião, a Justiça determinou que ele fosse monitorado com tornozeleira eletrônica e não se aproximasse a menos de 300 metros dela.

A defesa do piloto alegou que a ligação foi feita pela mãe do Victor com o celular dele, sem que ele soubesse ou autorizasse.

Continue Lendo

Segurança

Presos suspeitos de enviar de Goiás para o Nordeste cargas milionárias de drogas e armas

Publicado

em

Por

As Polícias Civis de Goiás e do Sergipe prenderam três homens suspeitos de fazer parte de uma organização criminosa que vendia cargas milionárias de armas e drogas para estados do Nordeste do país. Eles foram detidos nesta segunda-feira (15) em Senador Canedo, na Região Metropolitana de Goiânia.

Segundo a Polícia Civil de Goiás, dois dos presos são os irmãos Aduilson Góis Oliveira, conhecido como “Galego”, e Ademir Góis Oliveira, também chamado de “Demir” ou “Galeguinho”. Eles são apontados pelas investigações como os líderes da organização criminosa.

O terceiro preso, também segundo os investigadores, é Lucivaldo Fernandes da Silva, apontado pelos policiais como o responsável pela logística do grupo.

O delegado Osvaldo Rezende disse que os presos são considerados de alta periculosidade e devem ser enviados para cumprir pena no Sergipe.

“São criminosos bastante conhecidos no nosso estado. Eles fomentam o trafico de drogas, roubo a banco, homicídios, diversos crimes. Montaram uma base aqui no estado de Goiás de onde mandavam toneladas de drogas e armamento de grosso calibre”, explicou.

Ainda de acordo com as investigações, Goiás foi escolhido por ser considerado um ponto estratégico para a distribuição de drogas, que vinham do Mato Grosso do Sul.

Roubos, homicídios e tráfico
De acordo com a corporação, o preso conhecido como Galego chegou a ser condenado a 22 anos de prisão após a Operação Valquíria, que condenou ele e outras 22 pessoas por roubos, homicídios e tráfico de drogas.

No entanto, conforme a Polícia Civil, o preso conseguiu uma decisão favorável do Supremo Tribunal Federal (STF) e saiu da cadeia em 7 de fevereiro deste ano. As investigações mostraram que ele saiu do Sergipe e se mudou para Goiás, onde encontrou o irmão e, juntos, começaram a remontar a organização.

Também de acordo com a Polícia Civil, Galego é suspeito de 13 homicídios, sendo que três deles teriam ocorrido dentro do Presídio de Santa Maria em abril de 2018.

Segundo a Polícia Civil, o grupo fornecia armas pesadas e drogas para outros grupos criminosos. Há registros de assaltantes de bancos que eram clientes da organização e foram presos com metralhadora antiaérea .50, fuzil calibre .556, duas pistolas calibre .380, um revólver calibre 38 e um equipamento bloqueador de sinal GPS.

Operação Valquíria
A operação que mirou o grupo pela primeira vez ocorreu no Sergipe. As investigações começaram em setembro de 2012, após o assassinato de duas pessoas no município de Carira.

Chamada de Valquíria, a ação resultou na prisão de 32 pessoas, sendo seis mulheres. Na época, foram apreendidos com o grupo sete armas de fogo, R$ 150 mil, motos e carros de luxo avaliados em mais de R$ 1,2 milhão, 36 kg de maconha, 5 kg de cocaína e 67 kg de crack. Outros três homens morreram em confronto com a polícia ao tentarem resistir à prisão.

Continue Lendo

Segurança

Presos suspeitos de integrar quadrilha que fraudava leilões de gado, em Niquelândia

Publicado

em

Por

A Polícia Militar (PM), por meio do Grupo de Patrulhamento Tático de Niquelândia (GPT), prendeu quatro homens suspeitos de integrar uma associação criminosa que fraudava leilões de gado. A ocorrência teve início na quarta-feira (10) e terminou nesta quinta-feira (11) com a prisão do grupo. Segundo a corporação, os criminosos arrematavam os gados por um leilão virtual e aplicavam golpe de estelionato nos vendedores.

A polícia chegou aos envolvidos por meio do Comando de Operações de Divisas (COD) da região norte. Alberto Dias Santos e Claudio Antônio foram os primeiros a serem encontrados e depois apontaram o envolvimento de outras duas pessoas no crime.

Na casa de Claudio os militares encontraram seis cartuchos calibre 20 e documentos de origem duvidosa, que apresentavam sinais de falsificação e eram usados para arrematar gado nelore P.O, no canal Terra Viva.

Segundo consta no boletim de ocorrência, os criminosos utilizavam a identidade de outras pessoas e falsificavam documentos de propriedades rurais com o objetivo de arrematar leilões. Os suspeitos pagavam a primeira parcela e retiravam os animais. As demais parcelas, no entanto, não eram pagas.

Em entrevista à polícia, Cláudio relatou que chefiava a associação criminosa com o empresário João Batista e Celino Correia. Uma manada de 20 cabeças de gado, que havia sido arrematada de forma ilegal no leilão, foi encontrada no povoado de Indaianópolis, em Niquelândia.

O gado e os envolvidos foram encaminhados para a Delegacia de Polícia Civil de Niquelândia. A PC vai abrir uma investigação.

Continue Lendo

Em Alta