Conecte-se

Últimas Notícias

Fernanda Young morre aos 49 anos

Publicado

em

A atriz, escritora, roteirista e apresentadora de TV Fernanda Young, de 49 anos, morreu na madrugada deste domingo (25) em Minas Gerais. A autora de séries de sucesso, como “Os Normais”, “Minha Nada Mole Vida”, “Os Aspones” e “Shippados”, teve uma crise de asma seguida de parada cardíaca. O corpo foi velado em São Paulo e o enterro foi no Cemitério de Congonhas, na Zona Sul da capital.

Fernanda deixa o marido, Alexandre Machado, e quatro filhos: as gêmeas Cecília Maddona e Estela May, de 19 anos; Catarina Lakshimi, de 10 anos; e John Gopala, também de 10 anos.

A atriz se preparava para estrear, em São Paulo, a peça “Ainda Nada de Novo”, em que contracenava com Fernanda Nobre. A estreia seria em 12 de setembro. A colega disse que a última vez em que falou com Fernanda Young foi na sexta-feira (23).

Segundo ela, Fernanda Young “já estava estava com a malinha para ir para o sítio e disse que ia relaxar no fim de semana para se preparar para a peça”. A atriz e escritora levou os textos para repassar no fim de semana (em sua penúltima foto no Instagram, ela aparece no sítio com os textos ao lado). As colegas iam se reencontrar na próxima segunda-feira (26).

Em sua última postagem, na noite de sábado (24), Fernanda Young publicou uma foto do seu sítio e escreveu: “Onde queres descanso, sou desejo”.

Editora de diversos livros de Fernanda Young, Leila Name disse que, em novembro, será publicado um livro inédito escrito por ela aos 17 anos, cujos manuscritos Fernanda localizou recentemente. Ela também estava se dedicando a outra obra, mais extensa, intitulada “O Livro”, que reconta situações reais por meio da ficção. Essa obra fica inacabada.

Funcionária da TV Globo, seu trabalho mais recente na televisão foi a série original “Shippados”, lançada pela Globoplay e estrelada por Tatá Werneck, Eduardo Sterblitch e Clarice Falcão.

Trajetória

Fernanda Maria Young de Carvalho Machado nasceu em Niterói (RJ) e frequentou a faculdade de letras da Universidade Federal Fluminense, cursou jornalismo na Faculdade Hélio Alonso e Rádio e TV na Faap, mas não terminou nenhum dos cursos.

Em 1995, estreou como roteirista no programa “A Comédia da Vida Privada”, da Rede Globo, adaptação de textos de Luis Fernando Veríssimo que assinou com o marido, Alexandre Machado. Em 1996, lançou o primeiro livro, “Vergonha dos Pés”, pela editora Objetiva.

Uma das suas séries de maior sucesso foi “Os Normais”, comédia estrelada por Fernanda Torres e Luiz Fernando Guimarães. Foi exibida na TV Globo entre 2001 e 2003. A série deu origem a dois filmes, um de 2003 e outro de 2009, também escritos por Fernanda Young e outros roteiristas.

Trabalhando sempre em parceria com Alexandre Machado, Fernanda Young assinou as séries “Os Aspones”, “O Sistema”, “Separação?!”, “Macho Man”, “Como Aproveitar o Fim do Mundo”, “O Dentista Mascarado”, “Vade Retro”, o especial de fim de ano “Nada Fofa” e os quadros do Fantástico: “As 50 Leis do Amor” e “Super Sincero”.

Fernanda apresentou o programa “Irritando Fernanda Young”, entre 2006 e 2010, e “Confissões do Apocalipse”, em 2012, ambos no canal GNT. Também participou de outros programas, como “Saia Justa” e “Odeio Segundas”. E, no canal Viva, do “TV Mulher”.

Ela foi indicada duas vezes ao prêmio de Melhor Comédia do Emmy Internacional, por “Separação?!” e “Como Aproveitar o Fim do Mundo”. Seu último trabalho como roteirista na Globo foi “Shippados”.

Young também é autora de ao menos 14 livros, entre eles, “Pos-F”, “Estragos” e “A mão esquerda de Vênus”.

Em 2009, fez barulho ao sair nua na revista “Playboy”, que acabou vendendo acima das expectativas. “Espero que mais mulheres inteligentes e incomuns posem para a revista, cada vez mais nuas e mais livres”, disse na época.

Em 2013, ela escreveu e atuou como uma das protagonistas da série “Surtadas na Yoga”, com 13 episódios na primeira temporada. A série contou a história de três mulheres e o que elas faziam para não surtar.

No cinema, além dos filmes “Os Normais” e “Os Normais 2”, participou do roteiro de “Bossa Nova” e “Muito Gelo e Dois Dedos D’Água”.

Em sua última coluna para o jornal “O Globo”, Fernanda Young analisa “os cafonas” no Brasil de hoje. “O cafona fala alto e se orgulha de ser grosseiro e sem compostura. Acha que pode tudo e esfrega sua tosquice na cara dos outros. Não há ética que caiba a ele. Enganar é ok. Agredir é ok. Gentileza, educação, delicadeza, para um convicto e ruidoso cafona, é tudo coisa de maricas”, escreveu.

Em entrevista à TV Globo, em 2008, Fernanda Young comentou sua estreia no teatro com o monólogo “A Ideia”: “As pessoas têm ideias e, no ato de ter uma ideia, a pessoa pode crer que ela seja genial. As pessoas têm medo e constrangimento no ato histérico de se ter uma ideia. Essa peça é um convite a essa coragem. Talvez nem existam mais ideias geniais. Então, tenham ideias”, declarou.

Para o seu livro “A louca debaixo do branco”, de 2012, ela entrevistou sete noivas e um noivo no dia do casamento. “Uso a personagem da noiva para indagar o amor”, comentou, na GloboNews. “Uso a noiva como a forma que a gente se constrói pro olhar do outro, para sermos apaixonantes, lindas e belas para o olhar do outro.”

Anúncio
Clique para Comentar

Deixe seu comentário

Últimas Notícias

Uber registra quase 6 mil denúncias de abuso sexual em dois anos nos EUA

Publicado

em

Por

A companhia Uber, que opera o aplicativo mundial de transportes, registrou quase 6 mil denúncias de abuso sexual apenas nos Estados Unidos em 2017 e 2018. No mesmo período, 19 pessoas foram mortas e 107 perderam a vida em acidentes de trânsito durante viagens da empresa.

As informações foram divulgadas pela própria empresa em um relatório no qual afirma que a transparência faz parte de seu compromisso para “aumentar a segurança do Uber e da indústria como um todo”.

O número absoluto de denúncias registradas de abuso sexual cresceu no ano passado em relação a 2017 (de 2.936 para 3.045), mas a proporção em relação ao total de viagens caiu 16% no mesmo período.

Segundo o Uber, a redução não pode ser vista como uma tendência de queda, e a divulgação do relatório pode, inclusive, levar a um aumento de registros no futuro.

A empresa, que enfrenta um crescente escrutínio ao redor do mundo e recentemente perdeu sua licença para operar em Londres por causa de frequentes falhas de segurança, realizou mais de 45 viagens por segundo nos Estados Unidos.

Motoristas são 54% dos acusados                                              

O relatório aponta 5.981 registros de denúncias em meio a 2,3 bilhões de viagens ao longo dos dois anos. Pela legislação brasileira, todos os casos seriam enquadrados como crimes de estupro.

Do total de notificações, os passageiros representavam 45% dos acusados e os motoristas, 54%. Nos registros de denúncias mais graves, envolvendo penetração sexual sem consentimento, 99,4% das vítimas eram passageiros.

Segundo a empresa, a notificação de um caso de abuso sexual não é necessariamente feita pela vítima.

“Toda forma de transporte é impactada por esses problemas. Por exemplo, o Departamento de Polícia de Nova York registrou 1.125 acusações de abuso sexual no sistema de transporte durante o mesmo período coberto nesse relatório”, escreveu a empresa.

Faixa da Uber em frente à bolsa de valores de Nova York nesta sexta-feira (10). — Foto: Andrew Kelly/Reuters

A segurança dos passageiros, envolvendo particularmente violência sexual, tem sido um grande desafio para o Uber e outras empresas do setor, como a americana Lyft e a chinesa Didi, que adquiriu recentemente a 99 no Brasil.

“Não é fácil publicar voluntariamente um relatório que discute essas difíceis questões de segurança”, afirmou Tony West, chefe do departamento jurídico do Uber.

“A maioria das empresas não fala sobre questões ligadas à violência sexual porque arrisca atrair manchetes negativas na mídia e críticas públicas. Mas sentimos que é o momento para uma nova abordagem.”

Questionado pela BBC, o Uber afirmou não haver planos para divulgar dados relativos a outros países em que a empresa opera.

Mortes e acidentes fatais

Segundo o relatório da empresa, 19 pessoas foram mortas em casos envolvendo pelo menos uma pessoa ligada a uma viagem de Uber. Oito delas eram passageiros e 7 eram motoristas.

“Isso significa que a parte acusada (da morte) não era necessariamente a parte que usava a plataforma do Uber. Na verdade, em muitos incidentes fatais registrados no Uber, os acusados eram terceiros”, diz o documento.

A proporção dessas mortes é de 0.000001% do total de viagens realizadas pela empresa.

O Uber registrou também 107 mortes em 97 acidentes ligados ao uso do aplicativo. A cada 10 vítimas, 2 eram motoristas e 2, passageiros.

Um terço dos acidentes fatais envolveu pedestres.

A taxa de 0.57 fatalidade por 100 milhões de viagens em 2018 representa metade da taxa de mortes de trânsito nos Estados Unidos naquele período.

Análise de Dave Lee, repórter de tecnologia da BBC nos Estados Unidos

Este é um relatório extremamente significativo que, pela primeira vez, detalha até que ponto a chamada “economia colaborativa” coloca as pessoas em perigo.

O Uber descreve a reunião de dados como um projeto complexo que durou dois anos, com grande parte do tempo gasto na auditoria dos dados para garantir precisão.

Registre-se que, sabendo que provocaria manchetes negativas, a empresa optou por liberar esses dados voluntariamente.

E se comprometeu a divulgar o relatório a cada dois anos.

Agora que o Uber provou que pode produzir esses dados de forma digerível, deve continuar fazendo isso em intervalos regulares e, eventualmente, para todos os seus mercados ao redor do mundo.

Não é uma tarefa fácil, mas a empresa pode arcar com isso.

Uma publicação contínua do relatório traria foco e urgência: o histórico de segurança da Uber está melhorando ou piorando? Por que poderia ser isso? Algumas regiões são mais seguras que outras? O que podemos aprender?

A atenção também deve se voltar para as outras empresas desse setor. A Lyft — que está enfrentando uma ação por agressão sexual iniciada nesta semana — não tem desculpas agora que seu maior rival agiu.

Continue Lendo

Economia

Venda de veículos novos cresce 4,38% em novembro frente a 2018

Publicado

em

Por

Em novembro, a venda de veículos novos no Brasil, considerando-se apenas os automóveis e comerciais leves (picapes e furgões), cresceu 4,38% sobre novembro de 2018, mas com retração de 4,24% ante outubro, com o emplacamento de 230.923 unidades. O dado foi divulgado pela Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave).

Considerando o emplacamento de todos os segmentos somados (automóveis, comerciais leves, caminhões, ônibus, motocicletas, implementos rodoviários e outros veículos), houve crescimento de 7,81% em comparação ao mesmo mês do ano passado e queda de 6,05% em relação a outubro, com a venda de 345.386 unidades. Segundo a Fenabrave, a queda em relação a outubro se explica pelo menor número de dias úteis.

“Faltando apenas um mês, para o fechamento do ano, notamos a estabilidade do mercado. Isso é positivo, pois não houve grandes oscilações durante o ano, o que confirma as nossas expectativas para 2019, que deve crescer 10,76% sobre 2018”, disse Alarico Assumpção Júnior, presidente da Fenabrave.

Acumulado do ano

Entre janeiro e novembro deste ano, a venda de todos os segmentos registrou alta de 10,3%, com o total de 3.665.370 veículos novos emplacados. Considerando-se apenas os emplacamentos de automóveis e comerciais leves no acumulado do ano, houve alta de 7,21% sobre o mesmo período do ano anterior, com 2.406.984 unidades licenciadas.

Continue Lendo

Últimas Notícias

STF valida envio de dados da Receita ao MP sem autorização judicial

Publicado

em

Por

O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu validar o compartilhamento total de dados financeiros da Receita Federal com o Ministério Público sem autorização judicial.

Durante o julgamento, o compartilhamento de dados bancários suspeitos obtidos pela Unidade de Inteligência Financeira (UIF), do Banco Central (BC), antigo Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), foi discutido, mas ainda não é possível saber se haverá votos suficientes para proclamar o resultado nesta questão. Na quarta-feira (4), o assunto será debatido em uma nova sessão.

Após quatro sessões de julgamento, por 8 votos a 3, a maioria dos ministros entendeu que o envio é constitucional e não se trata de quebra ilegal de sigilo fiscal.

As informações financeiras são usadas pelo MP para investigar casos de corrupção, lavagem de dinheiro, tráfico de drogas e movimentações financeiras de organizações criminosas. De acordo com a legislação, a Receita e o antigo Coaf tem a obrigação de enviar informações suspeitas ao MP.

Com a decisão, foi anulada a decisão do presidente da Corte, Dias Toffoli, que suspendeu, em julho, processos que estavam em andamento e que tinham dados da Receita e do antigo Coaf compartilhados sem autorização judicial.

Votos

O julgamento começou no dia 20 de novembro. Primeiro a votar, o presidente da Corte, ministro Dias Toffoli, relator do caso, entendeu que a UIF e a Receita podem repassar dados de pessoas e empresas ao MP, mas com algumas ressalvas.

Em seguida, o ministro Alexandre de Moraes votou favor da validade do compartilhamento total dos dados financeiros

Na sessão de quarta feira (27), os ministros Edson Fachin, Luís Roberto Barroso, Rosa Weber e Luiz Fux também acompanharam a divergência aberta por Moraes.

Na sessão de quinta (28), a ministra Cármen Lúcia também votou a favor do compartilhamento total por entender que a administração pública é obrigada encaminhar todas informações suspeitas ao MP mesmo sem autorização prévia da Justiça.

“Se o sistema jurídico acolhe o dever das instituições financeiras prestar as informações que viabilizam a apuração do valor devido dos tributos, não pode ser considerado inadequado o passo seguinte necessário de se promover o combate a formas ilegítimas de escape de tributação”, disse a ministra. 

Em seguida, Ricardo Lewandowski o mesmo entendimento de Cármen Lúcia, mas não se pronunciou sobre o caso da UIF. 

Gilmar Mendes votou a favor do repasse dos dados da Receita, mas, no caso do antigo Coaf, entendeu que o órgão não pode produzir relatórios de inteligência fiscal a pedido de procuradores.

“Ressalto ser ilegítimo o compartilhamento de relatório de inteligência financeira pela UIF com o Ministério Público e a Polícia Federal feita a partir de requisição direta da autoridade competente sem a observância estrita das regras de organização e procedimento definidos nas recomendações do Gafi [organização internacional de combate á lavagem de dinheiro”, afirmou.

Os ministro Marco Aurélio e Celso de Mello abriram uma terceira corrente e votaram pela impossibilidade do compartilhamento sem autorização judicial. 

No caso concreto que motivou o julgamento, os ministros julgaram o recurso do MPF contra a anulação, pela segunda instância da Justiça, de uma condenação por sonegação fiscal do dono de um posto de gasolina em São Paulo. A investigação teve início em um relatório da Receita Federal repassado diretamente aos procuradores. Com o resultado do julgamento, a sentença do caso será restabelecida. 

Continue Lendo

Em Alta