Conecte-se

Tecnologia

Aprender outra língua em realidade virtual é melhor que pessoalmente

Publicado

em

A imersão proporcionada pela VR pode fazer com que o aprendizado seja mais fácil e efetivo

Realidade virtual promete ir além das aulas às quais estamos acostumados. No caso, a aposta é em um aprendizado experiencial, o que vai de acordo com a teoria de que lembramos o que aprendemos com mais facilidade quando estamos pondo a mão na massa.

VR é só uma das muitas tecnologias que estarão em alta em 2018! Aprenda como ela e outras inovações podem impactar seus negócios e sua carreira em 2018.

Em outras palavras, a imersão proporcionada pela VR pode fazer com que o aprendizado seja mais fácil e efetivo. Mas isso não é só: segundo uma pesquisa, a tecnologia é a ferramenta ideal para o aprendizado de línguas.

A MondlyVR percebeu isso e apostou no produto. Combinando as possibilidades imersivas da realidade virtual com reconhecimento de fala e um chatbot com inteligência artificial, a startup promete encurtar consideravelmente o tempo para uma pessoa começar a falar em outra língua.

Até que ponto VR melhora o aprendizado?

Lewis Johnson, CEO da Alelo, acredita que a fórmula tem um grande potencial, mas não se deve esperar milagres. Para ele, um bom jeito de determinar isso é aplicar o framework da taxonomia Bloom’s. No caso, esse é um conjunto de modelos que dividem objetivos de aprendizado em três domínios – cognitivo, afetivo e sensorial – e classifica entre cada um deles de acordo com níveis de complexidade e especificidade.

“A maioria de aplicativos de aprendizado de língua como jogos de memória focam no nível inferior da taxonomia, mas o verdadeiro domínio da língua requer engajamento com níveis mais elevados: aplicação, avaliação e criação”, afirma. Ele ainda defende que a interação entre pessoas é essencial, uma vez que isso eleva à aprendizagem a outro nível.

Inovador, não? Mas o que vimos até aqui foi só a ponta do iceberg. Você está preparado para a Nova Economia?

 

Via: QZ

Anúncio
Clique para Comentar

Deixe seu comentário

Tecnologia

Facebook tenta ganhar dinheiro com WhatsApp

Publicado

em

Por

Depois de descartar cobrar dos usuários para o uso do serviço, o Facebook está desenvolvendo uma forma alternativa de ganhar dinheiro com o aplicativo de mensagens WhatsApp. O dono do aplicativo anunciou na quarta-feira, 21, em evento realizado na Holanda, que vai exibir anúncios no serviço de vídeos efêmeros da plataforma – o WhatsApp Status – a partir de 2020.

As informações foram publicadas em redes sociais por publicitários presentes no evento. Procurado, o WhatsApp não comentou o assunto. .
A ferramenta do WhatsApp Status é semelhante ao Stories do Instagram – e ambos são parecidos com as mensagens do Snapchat, do qual o Facebook copiou o recurso. O WhatsApp é usado por 500 milhões de pessoas em todo o mundo.

Segundo as fontes, os anúncios vão aparecer como postagens independentes, entre as publicações dos usuários. A função estará disponível tanto no iPhone quanto no Android, disse o Facebook. Haverá ainda um símbolo indicando que o post é patrocinado e uma seta, para que o usuário “siga” o link do anúncio.

O Facebook divulgou novas funcionalidades para a versão corporativa do WhatsApp. Entre elas, uma ferramenta que permite que o usuário tenha uma prévia de um arquivo PDF enviado pelo WhatsApp Business. Hoje, é preciso baixar o arquivo para o dispositivo exibir o conteúdo.

Continue Lendo

Tecnologia

Anatel anuncia medidas para banda larga mais acessível

Publicado

em

A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) anunciou uma série de intervenções no mercado de atacado de telecomunicações – formado por grandes redes de tráfego, por onde passam informações e dados dos serviços (como a voz em uma ligação ou uma mensagem de e-mail).

As medidas, previstas no Plano Geral de Metas de Competição (PGMC), visam favorecer a competição na oferta de serviços em 3.909 municípios com pouca ou nenhuma competição no setor.

Conforme estabelecido, as grandes empresas – como Oi e Telefônica, na telefonia fixa; e Vivo, Claro, TIM e Oi na telefonia celular – terão que disponibilizar para os pequenos provedores de serviços de telecomunicação acessos a dutos de cabeamento, roaming nacional, troca de dados em alta capacidade e interconexão telefônica. 

O diretor-presidente da Anatel, Leonardo Euler de Morais, assinala que a iniciativa visa tornar o mercado mais eficiente, e podem resultar em redução no preço dos serviços para o consumidor final, em especial na banda larga.

Farinha de trigo e pão

“Começa um ciclo agora de maior dinâmica para o mercado de atacado”, disse Leonardo Euller que comparou a regulação da agência com a regulação do preço da farinha de trigo para favorecer o segmento de panificação.

“Eu posso regular o preço do pão ou escolher regular o preço da farinha e a partir disso estimular a competição no mercado do pão. O principal benefício é a melhoria da qualidade e a potencial redução dos preços dos serviços de telecomunicações, em especial a banda larga”, acrescentou. 

A intervenção no mercado de dutos foi apontada pela agência como uma das principais medidas para favorecer os pequenos provedores, que já são responsáveis pela maioria dos acessos à internet no país. A redução do preço no mercado de dutos é de “centenas de vezes o valor mensal devido por quilômetro compartilhado. Em versões anteriores das ofertas, já foram registrados preços superiores a R$ 50 mil por quilômetro de duto compartilhado”, descreveu nota da Anatel. A agência apontou que os preços ficarão na faixa de R$ 120 a R$ 750 o km.

Já no mercado de dutos, a Anatel aponta que os provedores regionais de banda larga vão contar com melhores condições de transporte de tráfego em 2.493 municípios. Os preços terão uma variação de R$ 1,40 a R$ 24 o megabit por segundo (Mbps). As ofertas irão viabilizar as conexões nos seis grandes pontos de tráfego indicados pela agência: São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre, Fortaleza, Curitiba e Brasília.

De acordo com o superintendente de competição da Anatel, Abraão Balbino, os pequenos provedores terão maiores condições de expandir o serviço, especialmente em municípios de pequeno e médio porte.

“Este é um pleito de contestação dos provedores e principal falha de mercado no transporte de internet no Brasil. Ninguém entregava condições para os pequenos provedores, agora você tem um preço controlado para chegar aonde está o conteúdo em uma condição vantajosa. Isso vai ampliar a qualidade e reduzir os preços da banda larga em todos esses pontos”, disse Balbino.

Continue Lendo

Tecnologia

Usuários de smartphone devem atualizar WhatsApp, orienta empresa

Publicado

em

Por

O WhatsApp divulgou hoje (14) recomendações a usuários para que atualizem o aplicativo em seus smartphones. O motivo da orientação diz respeito a uma falha na segurança que teria permitido o acesso de hackers e a instalação de pequenos programas maliciosos (spywares) para coletar informações dos usuários.

A ação teria utilizado um software de espionagem semelhante aos desenvolvidos pela empresa israelense NSO Group, que comercializa soluções deste tipo junto a governos. Por meio do programa, os hackers teriam como acessar informações dos smartphones dos usuários de forma remota.

“O WhatsApp incentiva as pessoas a atualizarem o nosso aplicativo para a versão mais recente, assim como manter o sistema operacional dos dispositivos atualizados, a fim de proteger contra possíveis ataques destinados a comprometer as informações armazenadas em dispositivos móveis”, destacou a empresa em resposta à Agência Brasil.

Para atualizar o programa, a pessoa deve desinstalar o WhatsApp e baixar a última versão disponível na loja de aplicativos do seu smatphone (como a Play Store, do Google, ou a Apple Store, da empresa de mesmo nome).

A empresa orienta ainda os usuários a manterem os sistemas operacionais atualizados, pois a ação dos invasores pode se beneficiar dessa vulnerabilidade.

O WhatsApp é a maior rede social de troca de mensagens do mundo, com mais de 1,5 bilhão de usuários. No Brasil, o último número divulgado dava conta de uma base de cerca de 130 milhões de pessoas.

Continue Lendo

Em Alta